Mais da Coluna Erivaldo Carvalho, do jornal O Otimista, desta sexta/28

O PSDB e os ecos de 2022

Com os ventos políticos soprando a favor de uma possível aliança do PSDB com o PDT de Roberto Cláudio, em Fortaleza, peças do xadrez político de 2022 podem ser mexidas. Isso, dependendo da indicação do candidato a vice-prefeito na chapa governista. Se o nome sair da aliança PSDB-DEM, o senador Tasso Jereissati já estaria contemplado. Ou seja, perderia força o movimento de apoio do consórcio partidário, atualmente liderado pelos Ferreira Gomes, à reeleição do hoje senador tucano, daqui a dois anos.

Candidatos para todos os gostos

Fortaleza terá postulante a prefeito antibolsonarista, anticirista e antipetista. O pré-candidato Heitor Férrer (Solidariedade) quer pregar para os eleitores que não são a favor de nenhuma das três forças. Já Anízio Melo (PCdoB) diz que se posicionará para “superar a triangulação”. Ou seja, teremos palanques para todas as plateias.

Subsídios e peso diferenciado

O ciclo de debates com os pré-candidatos do PDT não foi decisivo, mas deu subsídios para a definição – que pode recair ou não sobre um dos cinco nomes apresentados. O último, mediado por Roberto Cláudio, mostra o peso diferenciado que o atual prefeito terá nessa discussão. O tema não poderia ser outro: “O Futuro de Fortaleza”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *