Longe do ramerrame da política eleitoral, Tasso vai estendendo seu legado

Senador Tasso Jereissati segue fincando bandeiras de largo alcance social

Dois dos três senadores cearenses – Cid Gomes (PDT) e Eduardo Girão (Podemos) -, mergulharam de  cabeça nas disputas municipais de 2020. No primeiro turno, ambos colheram resultados expressivos e, no segundo, estão, cada um no seu grupo político, tentando resultados positivos em Fortaleza e Caucaia. Enquanto isso, Tasso Jereissati, com seu PSDB desidratado, resolveu, neste 2020, percorrer outros rumos, distante do habitual clima eleitoral. Nos últimos meses, o tucano –  notório parlamentar acima da média do Senado –, segue se destacando em bandeiras estruturantes da vida nacional, com peso de nível histórico.

Integrante da Frente Parlamentar da Renda Básica, Tasso tem discutido com especialistas a necessidade de estabelecer no País maior e melhor proteção social aos mais pobres. Mas não é só debate. Simultaneamente, o ex-governador do Ceará apresentou Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria o Benefício Universal Infantil – programa que atenderá famílias com integrantes de até 14 anos. Mais especificamente, aqueles com idade de zero a seis anos. O texto permite integração parcial ou total com os programas Salário-Família e Bolsa Família. Fonte de financiamento? A partir da revisão/redução de benefícios fiscais.

Referência de gestão e ações de largo alcance social
Já, literalmente, em capítulos de livros de História do Ceará, Tasso Jereissati é, seguidamente, apontado como um dos “cabeças” do Congresso Nacional. Nos últimos meses, destacou-se no plano nacional, quando coordenou os trabalhos na Casa sobre o Marco Regulatório do Saneamento, que prevê a universalização dos serviços de água e esgoto no Brasil até 2033. Nos anos 1980-90, à frente do Estado do Ceará, cunhou modelo de gestão ainda hoje referência e, no social, implantou programas como o Agentes Comunitários de Saúde. 

Passado, presente e futuro dos senadores cearenses
Tasso chegou ao nível biográfico de sua vida política. Atua de olho na posteridade. Foi três vezes governador. Cid vive o presente de seu poder no Ceará, que se projeta nacionalmente. Foi governador duas vezes. Girão tem os pés no presente e os olhos no futuro. Não foi governador nenhuma vez. Mas não tira isso da cabeça.

Mais da Coluna Erivaldo Carvalho, do jornal O Otimista, desta sexta/28

O PSDB e os ecos de 2022

Com os ventos políticos soprando a favor de uma possível aliança do PSDB com o PDT de Roberto Cláudio, em Fortaleza, peças do xadrez político de 2022 podem ser mexidas. Isso, dependendo da indicação do candidato a vice-prefeito na chapa governista. Se o nome sair da aliança PSDB-DEM, o senador Tasso Jereissati já estaria contemplado. Ou seja, perderia força o movimento de apoio do consórcio partidário, atualmente liderado pelos Ferreira Gomes, à reeleição do hoje senador tucano, daqui a dois anos.

Candidatos para todos os gostos

Fortaleza terá postulante a prefeito antibolsonarista, anticirista e antipetista. O pré-candidato Heitor Férrer (Solidariedade) quer pregar para os eleitores que não são a favor de nenhuma das três forças. Já Anízio Melo (PCdoB) diz que se posicionará para “superar a triangulação”. Ou seja, teremos palanques para todas as plateias.

Subsídios e peso diferenciado

O ciclo de debates com os pré-candidatos do PDT não foi decisivo, mas deu subsídios para a definição – que pode recair ou não sobre um dos cinco nomes apresentados. O último, mediado por Roberto Cláudio, mostra o peso diferenciado que o atual prefeito terá nessa discussão. O tema não poderia ser outro: “O Futuro de Fortaleza”.

Com participação de Tasso, live do PSDB Mulher debate presença feminina na política

Live do Secretariado das Mulheres do PSDB-CE discutiu perspectivas das mulheres na política

Dados de 2018 mostram que o eleitorado do Ceará é dividido entre 53% de mulheres e 47% de homens. Nos dois principais parlamentos do Estado – Assembleia Legislativa e Câmara Municipal de Fortaleza -, entretanto, são vexatórios os índices de participação feminina.

São seis deputadas estaduais (13% das 46 cadeiras) e seis vereadoras na Capital (14% de 43 assentos). Na bancada federal, o índice é ainda mais inexpressivo, com apenas uma mulher deputada federal (4,5% de 22 vagas).

Para enfrentar esse grande desafio – e até mesmo para cumprir a legislação eleitoral, que prevê no mínimo 30% das candidaturas para cada gênero -, o Secretariado das Mulheres do PSDB no Ceará debateu a participação feminina na política.

O encontro reuniu, remotamente, parlamentares e pré-candidatas do partido que disputarão as eleições municipais de novembro. Principal liderança tucana no Estado, o senador Tasso Jereissati destacou a necessidade de engajamento das mulheres no debate político e na formulação das políticas públicas.

“A ética e o espírito público são características das mulheres. Deposito enorme confiança nas candidaturas das mulheres do PSDB no Ceará”, afirmou o senador na live. O Secretariado do PSDB Mulher é presidida no Ceará por Maria Jesus Bertolo.

Líder do Partido na Assembleia Legislativa, a deputada Fernanda Pessoa destacou o papel da ex-primeira dama, Renata Jereissati. “Foram inúmeras ações de fortalecimento do artesanato cearense com investimentos na qualificação e na geração de novos negócios”, lembrou.

Também presente no encontro, a vereadora de Caucaia e pré-candidata a Prefeita do Município, Emília Pessoa, defendeu maior participação das mulheres na política.

Já o presidente do Diretório Estadual do PSDB, Luiz Pontes, ressaltou que eventos dessa natureza serão cada vez mais frequentes no PSDB e que o partido estimula o surgimento de mais lideranças femininas na política.

Congresso lança Frente pela Renda Mínima; Tasso coordenará tema Desenvolvimento Econômico

O senador cearense Tasso Jereissati

Com o objetivo de centralizar os debates sobre o tema, será lançada nesta terça/21, em Brasília, a Frente Parlamentar pela Renda Mínima.

O grupo contará com o apoio de pelo menos 215 congressistas, entre deputados e senadores, de 23 partidos.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) coordenará o tema Desenvolvimento Econômico.

Um dos motivos para a criação do bloco suprapartidário é o encerramento do auxílio emergencial, previsto para agosto.

Em meio ao desemprego, agravado pela pandemia de Covid-19, mais de 60 milhões de pessoas dependem dessa ajuda.

A frente se antecipa ao programa Renda Brasil, anunciado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para ser adotado em um cenário pós-pandemia.

A Frente Parlamentar contará com a organização conjunta da Rede Brasileira de Renda Básica (RBRB).

O bloco terá representantes do Unicef, Oxfam Brasil, Central Única das Fabelas (Cufa) e especialistas no tema.