Mais da Coluna Erivaldo Carvalho, do jornal O Otimista, desta sexta/28

O PSDB e os ecos de 2022

Com os ventos políticos soprando a favor de uma possível aliança do PSDB com o PDT de Roberto Cláudio, em Fortaleza, peças do xadrez político de 2022 podem ser mexidas. Isso, dependendo da indicação do candidato a vice-prefeito na chapa governista. Se o nome sair da aliança PSDB-DEM, o senador Tasso Jereissati já estaria contemplado. Ou seja, perderia força o movimento de apoio do consórcio partidário, atualmente liderado pelos Ferreira Gomes, à reeleição do hoje senador tucano, daqui a dois anos.

Candidatos para todos os gostos

Fortaleza terá postulante a prefeito antibolsonarista, anticirista e antipetista. O pré-candidato Heitor Férrer (Solidariedade) quer pregar para os eleitores que não são a favor de nenhuma das três forças. Já Anízio Melo (PCdoB) diz que se posicionará para “superar a triangulação”. Ou seja, teremos palanques para todas as plateias.

Subsídios e peso diferenciado

O ciclo de debates com os pré-candidatos do PDT não foi decisivo, mas deu subsídios para a definição – que pode recair ou não sobre um dos cinco nomes apresentados. O último, mediado por Roberto Cláudio, mostra o peso diferenciado que o atual prefeito terá nessa discussão. O tema não poderia ser outro: “O Futuro de Fortaleza”.

Com participação de Tasso, live do PSDB Mulher debate presença feminina na política

Live do Secretariado das Mulheres do PSDB-CE discutiu perspectivas das mulheres na política

Dados de 2018 mostram que o eleitorado do Ceará é dividido entre 53% de mulheres e 47% de homens. Nos dois principais parlamentos do Estado – Assembleia Legislativa e Câmara Municipal de Fortaleza -, entretanto, são vexatórios os índices de participação feminina.

São seis deputadas estaduais (13% das 46 cadeiras) e seis vereadoras na Capital (14% de 43 assentos). Na bancada federal, o índice é ainda mais inexpressivo, com apenas uma mulher deputada federal (4,5% de 22 vagas).

Para enfrentar esse grande desafio – e até mesmo para cumprir a legislação eleitoral, que prevê no mínimo 30% das candidaturas para cada gênero -, o Secretariado das Mulheres do PSDB no Ceará debateu a participação feminina na política.

O encontro reuniu, remotamente, parlamentares e pré-candidatas do partido que disputarão as eleições municipais de novembro. Principal liderança tucana no Estado, o senador Tasso Jereissati destacou a necessidade de engajamento das mulheres no debate político e na formulação das políticas públicas.

“A ética e o espírito público são características das mulheres. Deposito enorme confiança nas candidaturas das mulheres do PSDB no Ceará”, afirmou o senador na live. O Secretariado do PSDB Mulher é presidida no Ceará por Maria Jesus Bertolo.

Líder do Partido na Assembleia Legislativa, a deputada Fernanda Pessoa destacou o papel da ex-primeira dama, Renata Jereissati. “Foram inúmeras ações de fortalecimento do artesanato cearense com investimentos na qualificação e na geração de novos negócios”, lembrou.

Também presente no encontro, a vereadora de Caucaia e pré-candidata a Prefeita do Município, Emília Pessoa, defendeu maior participação das mulheres na política.

Já o presidente do Diretório Estadual do PSDB, Luiz Pontes, ressaltou que eventos dessa natureza serão cada vez mais frequentes no PSDB e que o partido estimula o surgimento de mais lideranças femininas na política.

Congresso lança Frente pela Renda Mínima; Tasso coordenará tema Desenvolvimento Econômico

O senador cearense Tasso Jereissati

Com o objetivo de centralizar os debates sobre o tema, será lançada nesta terça/21, em Brasília, a Frente Parlamentar pela Renda Mínima.

O grupo contará com o apoio de pelo menos 215 congressistas, entre deputados e senadores, de 23 partidos.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) coordenará o tema Desenvolvimento Econômico.

Um dos motivos para a criação do bloco suprapartidário é o encerramento do auxílio emergencial, previsto para agosto.

Em meio ao desemprego, agravado pela pandemia de Covid-19, mais de 60 milhões de pessoas dependem dessa ajuda.

A frente se antecipa ao programa Renda Brasil, anunciado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para ser adotado em um cenário pós-pandemia.

A Frente Parlamentar contará com a organização conjunta da Rede Brasileira de Renda Básica (RBRB).

O bloco terá representantes do Unicef, Oxfam Brasil, Central Única das Fabelas (Cufa) e especialistas no tema.