Fortaleza, 297 anos: histórico e caminhos políticos

A sede da Prefeitura de Fortaleza / Reprodução

Nesta quinta-feira, 13 de abril, é justo lembrarmos recortes históricos das últimas administrações da Capital do Ceará.

A partir dos principais pontos, poderemos vislumbrar para onde caminha a aniversariante do dia, que hoje completa 297 anos.

Num corte temporal, estamos no sétimo prefeito de Fortaleza, desde a retomada da eleição direta para prefeito da Cidade.

A lembrar: Maria Luiza Fontenele, Ciro Gomes, Juraci Magalhães, Antonio Cambraia, Juraci (2x), Luizianne Lins (2x), Roberto Cláudio (2x) e José Sarto.

1986 – Maria Luiza vive a ebulição política nacional da segunda metade da década dos anos 1980. É uma gestão agitada. Não tem como não ser.

Voos mais altos
1989 – Vem Ciro. Pega um governo municipal alinhado ao estadual, comandado pelo então chefe maior, Tasso Jereissati, de quem foi líder na Assembleia.

1990 – O sucesso foi tanto que o então pupilo do hoje ex-senador levantou voos mais altos. Ciro foi o único, da temporada, a sair do Executivo Municipal para o Estadual.

1990 – Então vice de Ciro, Juraci herda o caixa abarrotado de dinheiro. Tem vida fácil, apesar da cada vez maior municipalização dos serviços.

1992 – O então peemedebista assume um governo bem avaliado e faz os arranjos certos. Assim, não tem dificuldades em eleger o sucessor Cambraia.

1993 – Neófito, o ex-secretário das Finanças de Fortaleza segue o script. Fica quatro anos, aguardando para devolver o governo a Juraci.

Tocador de obras
1997 – Aqui há uma virada. Com a volta de Juraci, o Município vivencia a maior safra de obras até então. Há muitas entregas no trânsito.

2000 – Montado na máquina e tido como tocador de obras, Juraci tratora a oposição, inaugurando a legislação que passa a permitir a reeleição.

2004 – Vem a fadiga administrativa e o microciclo político da Capital, que começa com Ciro, volta ao PT – desta vez, de Luizianne.

2005 – O período Luizianne é marcado por contradições e entraves na gestão. Mesmo assim, a então prefeita consegue mais quatro anos de mandato.

2009 – Reeleita, a petista faz um governo focado no social. A Cidade não compra a aposta e Luizianne não consegue fazer o sucessor.

Resultados
2013 – Roberto reorganiza a gestão, melhora os serviços e entrega resultados – particularmente, na mobilidade urbana.

2016 – Com bom portfólio de realizações e apoiado pelo governo do Estado, o prefeito é reeleito com relativa facilidade.

2020 – Apoiado por Roberto, José Sarto é eleito. Tenta manter-se no pré-jogo de 2024, apesar das desavenças dentro do próprio grupo.

2023 – Sarto reorganiza a gestão e melhora o entorno político, reposicionando-se como protagonista da disputa do ano que vem.

Próximos capítulos
Eleito por apelos, bandeiras e contextos políticos distintos, cada um deixa sua marca – para lá ou para cá – na linha do tempo que nos trouxe até aqui.

Os próximos capítulos dessa vibrante história política da Cidade só o tempo, os atores e, principalmente, o eleitor, serão capazes de escrever.

Que venham 2024 e os 298 anos de Fortaleza.

Feliz Aniversário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *