O correto veto do presidente Lula à desoneração fiscal

O correto veto do presidente Lula à desoneração fiscal

Presidente justificou decisão / Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

A olho nu, a rejeição, pelo Palácio do Planalto, ao projeto de lei que alivia o peso fiscal à folha de pagamento, parece um erro político.

Para além dos 17 setores que seriam beneficiados, o mercado reagiu muito mal ao veto do presidente Lula.

No Congresso, há barricadas contra a decisão do petista. Há perspectiva de derrubada.

Nesta quarta-feira, 29, Lula falou, publicamente, sobre o assunto.

Em síntese, afirmou que não vê motivo para sancionar um projeto que beneficia empresas, sem nenhum tipo de reciprocidade aos trabalhadores.

Não há, no texto aprovado pelo Congresso e vetado por Lula, trecho que diga, concretamente, que tipo de benefício chegará lá na ponta.

É muito vago associar, simplesmente, desoneração da folha a mais emprego, melhores salários, investimentos etc e tal.

Pesquisas sérias, nesse sentido, são inconclusivas.

Na maioria das vezes, benefícios fiscais vão para a margem de ganho das empresas e outros ativos.

Por essas e outras, o presidente tem razão no veto.

Não faz sentido mais um puxadinho fiscal, em detrimento das demais áreas.

Isso mesmo. Alguém – no caso, os demais – sempre pagam a conta de tais benefícios.

O ministro Fernando Haddad (Fazenda, PT), ficou de apresentar uma contraproposta aos parlamentares.

Vamos aguardar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *