Sobre Jesus

Cristianismo está na base da ética ocidental / Reprodução

Estes dias, reta final da Semana Santa e Páscoa, são de celebração. Nas comunidades religiosas de boa parte do mundo, os ensinamentos do Homem Filho de Deus, que marca nosso próprio tempo aqui na Terra, falam mais alto, tocam o espírito e sossegam o coração. Ele nos diz que é tempo de renovação da força, fé e esperança em dias melhores. Isso, tanto do ponto de vista espiritual quanto secular.

No primeiro caso porque, consciente ou não, a chamada pessoa de bem sempre busca algum tipo de referência para melhorar. Por isso, tem a Bíblia Sagrada como uma das fontes mais relevantes e confiáveis. E, como se sabe, o livro-referência do Cristianismo é uma compilação de valores onde se assenta a ética universal – justamente de onde vem parte da inspiração do que se convencionou chamar de direitos humanos.

Na outra ponta, o Cristianismo, enquanto instituição, aqui entendido como Igreja, mimetizou-se às estruturas do então Império Romano, nos primeiros séculos desta Era. Grosso modo, essa mistura profana resultou no modelo de administração pública no qual foi baseada a gestão do Estado.

O quarto ponto dessa reflexão-síntese é a figura do próprio Jesus, o Cristo, que se os cálculos não nos traem, foi crucificado há exatos 2022 anos. Ele deixou como lições – e hoje Ele vem nos lembrar -, a empatia, perdão e acolhimento para com o próximo. Político, o nazareno foi revolucionário. Lutou contra injustiças, disse “não” à violência, pregou a solidariedade e defendeu a inclusão. Jesus nunca foi tão atual.

Governo e oposição
Os membros do atual grupo governista estadual são partes integrantes de algo maior. A saber, um projeto em curso, com resultados que estão mudando o Ceará. Esse é o principal mote da fala dos líderes do PDT e PT, sempre que perguntados sobre sucessão eleitoral. O discurso está afinado. A narrativa tem aparentes peso político, consistência prática e, dependendo do olhar, potencial de convencimento. Enquanto isso, a oposição, embora em 2022 maior, melhor organizada, mais capilarizada e aquinhoada, ainda não sinalizou uma contra-retórica capaz de neutralizar a linha de atuação do grupo que hoje controla o poder. Numa pergunta: qual é mesmo, claramente, o projeto que a oposição tem para o Ceará? Se esse contraste invadir a campanha eleitoral, poderemos ter o embate entre um grupo organizado, que fala em nome de um projeto de Estado, contra opositores que falam em nome de si mesmos ou de poucos.

O destino do líder na AL
O líder na Assembleia Legislativa do então governo Camilo Santana, deputado Júlio César, filiou-se ao PT, durante a janela partidária. Corta para a Câmara Municipal de Fortaleza, onde o vice-presidente da Casa, vereador Adail Júnior (PDT), insinuou que a também pedetista Izolda Cela, governadora do Estado, tem sangue petista. Nesse contexto, Julinho será reconduzido à função?

O reforço de Heitor Freire
O litígio Ceará-Piauí tem no deputado estadual Acrísio Sena (PT) um dos lutadores, para que não percamos áreas expressivas de 13 municípios da Ibiapaba, na Zona Norte. O prejuízo, sob vários aspectos, é incalculável. Nos últimos dias, o deputado federal Heitor Freire (União Brasil) entrou no time, para reforçar a trincheira. Eis uma bandeira relevante, muito acima das diferenças ideológicas.