Auxílio emergencial muda governo Bolsonaro de patamar e deve impactar eleições

Da Coluna Erivaldo Carvalho, do jornal O Otimista, desta segunda/24:

Presidente da República melhorou imagem, segundo o Datafolha, ao nível de início de mandato

O Planalto prepara, esta semana, uma grande cerimônia. Previsto para esta terça-feira (25), o evento pretende anunciar medidas de recuperação da economia nacional. O ponto alto deverá ser a prorrogação do auxílio emergencial, até dezembro deste ano. Anotem: esse ato político poderá ser a consolidação da virada de imagem de Jair Bolsonaro Brasil afora, com impactos diretos na disputa por prefeituras e câmaras municipais – inclusive em Fortaleza, na sucessão do prefeito Roberto Cláudio (PDT).

O ato acontecerá poucos dias depois de o terceiro andar do Palácio correr para o abraço, com pelo menos duas notícias alvissareiras, anunciadas pelo prestigiado Datafolha: a recuperação da imagem do inquilino mor – equivalente ou melhor em relação ao início do mandato -, e a desvinculação da imagem do presidente das dezenas de milhares de mortes provocadas pela Covid-19.

O que tudo isso tem a ver com a disputa eleitoral em Fortaleza? Tudo. A força do bolsonarismo ou antibolsonarismo – duas das principais variáveis deste atípico 2020 -, será proporcional ao agregado eleitoral – ou repelência -, de Jair Bolsonaro. O raciocínio é simples: com o governo e o desempenho pessoal bem avaliados, o presidente será um dos maiores – se não o maior -, cabo eleitoral de novembro próximo.

Mais da coluna Erivaldo Carvalho, do jornal O Otimista, desta 2ª

Atenção ao Fundeb

O Novo Fundeb, na pauta da Câmara Federal esta semana, prevê duplicação, até 2026, dos atuais 10% para 20% na composição financeira, com estados e municípios. O fundo beneficia cerca de 38 milhões de alunos, da creche ao ensino médio. O atual Fundeb vence em dezembro. Já o novo é uma PEC. Aprovado, será constitucionalizado. A votação merece atenção, para além do fato de ser importante. Se só isso resolvesse, não estaríamos diante de tantos retrocessos na área.

Sintonia e firmeza

Com restaurantes até as 23h e sem aulas presenciais, começa hoje a quarta fase do plano de retomada das atividades econômicas em Fortaleza. O governador Camilo Santana e o prefeito Roberto Cláudio seguem firmes e sintonizados na condução do processo – apesar das pressões, que não têm sido poucas.

Explicação emergencial

Ao votarem contra a prorrogação do auxílio emergencial até dezembro, 309 deputados federais terão muito a explicar a seus leitores. Outros 123, mesmo derrotados, ficaram bem na foto. No Ceará, foram 11 contra a emenda. O placar repercutiu. E deverá ser bem lembrado no já próximo período eleitoral.

Auxílio emergencial, fraudes e transparência

Íntegra da Coluna Erivaldo Carvalho, no jornal O Otimista desta segunda, 15/6:

Postos da Caixa Econômica  registraram aglomerações / Agência Brasil

Já seria vexatória a informação de que 18% dos brasileiros elegíveis para o auxílio emergencial da pandemia – cerca de 10,9 milhões de pessoas (dados do Ipea) -, estavam invisíveis aos olhos do Governo Federal. Veio a tentativa de inclusão e, com isso, o sofrimento para quem precisou fazer o cadastro. Agora, órgãos de controle e fiscalização identificaram mais de 24 mil servidores públicos no Ceará que receberam, indevidamente, o voucher Covid-19. É o triste enredo de um Estado brasileiro caolho e manco, em que parte da população usa esses defeitos para se dar bem.

Os cadastros fraudulentos se alastraram entre funcionários estaduais e municipais. Por óbvio, todos os que receberam a ajuda de forma irregular terão de devolver o dinheiro. A melhor notícia, porém, foi o método utilizado pela Controladoria Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas do Estado (TCE) para chegarem ao resultado: o cruzamento de dados. Importada do Estado do Paraná, a tecnologia tem potencial para causar pequenas revoluções no trato da coisa pública, para gerar muito mais transparência, em situações e escalas diferentes.

Bolsonaro no Ceará

Provavelmente no próximo dia 20, o presidente Jair Bolsonaro estará no Ceará. Em visita oficial, ele vem inaugurar obras da transposição das águas do rio São Francisco. O objetivo é acompanhar o desvio do Velho Chico, de Salgueiro (PE) a Jati. Entre paralisações, retomadas e reformulação do projeto, a transposição está passando por quatro presidentes da República – Lula, Dilma, Temer e Bolsonaro – e um presidenciável, Ciro Gomes, que deu sua efetiva contribuição quando esteve à frente do Ministério da Integração Nacional.

Convenções virtuais

Vêm aí as convenções partidárias virtuais. A novidade, provocada pela covid-19, acontecerá entre 20 de julho e 5 de agosto. Aprovado pelo TSE, o “novo normal” da política substituirá o intenso barulho e calor humano de reuniões partidárias, de outrora, pela frieza das telas, teclados de votação e outros aparatos tecnológicos. O restante do calendário e as datas do 1º e 2º turno dependerão da extensão da pandemia.

Mais força às redes

Estudos de diversos tipos e alcances apontam que a pandemia do novo coronavírus, ao empurrar a sociedade para dentro de casa, comprimiu em poucos meses o que, normalmente, o mundo levaria cinco anos para vivenciar. Home office, delivery e lives, para citar somente exemplos relacionados a trabalho, alimentação e entretenimento, que o digam.